QUEM NOS MANIPULA?

 


Humanos, somos certamente a mais violenta das espécies no planeta. Os instintos primevos de sobrevivência e de preservação da espécie estão presentes em todas as formas de vida, mas penso que é na nossa que se verifica a exacerbação e os hiper desvios do que se poderia considerar como normal, isto é, na autoproteção e na proteção do seu grupo. A inteligência e o conhecimento de existir como indivíduo nos fez aparentemente capazes de poder graduar a ação desses instintos, que se nos manifestam primordialmente pela atividade hormonal, sendo esta de reação involuntária ao ambiente.

Nestes últimos dias, a imprensa mundial nos colocou frente aos olhos degradantes espetáculos de intolerância racial em episódios em que atletas negros foram insultados em praças esportivas em diversos locais, inclusive na culta e evoluída Europa.

Características encontradas, com frequência, nos homens e mulheres civilizados são a iconoclastia e a sua oposta, a iconofilia.  De um lado quebrar símbolos e imagens religiosas ou, por outro, mais sutil e menos aparente é o seu contrário, a adoração a símbolos, o que muitas vezes gera o comportamento iconoclasta aos símbolos que não os seus.

Atitudes que nos parecem incompreensíveis explicam-se por essas heranças culturais, talvez atávicas, eventualmente ainda não elaboradas pela mente racional do homem moderno, que deveria nos habitar. Fenômenos do comportamento humano originados nas antigas tradições religiosas, tantas vezes conflitantes, nas quais os indivíduos colocam emoções do tipo de amor fervoroso, foram sendo tomadas de empréstimo por outras, cujos símbolos, como os dos esportes, particularmente o futebol, os da política e até mesmo os de marcas comerciais, passaram a ter seguidores do tipo fãs, isso é, fanatizados.

Adorar símbolos ou simplesmente odiá-los ou temê-los é a porta aberta para a manipulação a que podemos ficar sujeitos – e o estamos sendo constantemente – na sociedade altamente tecnológica e midiática em que vivemos. Essas manipulações podem afetar profundamente valores individuais e, por essa via, os sociais, o que nos traz à lembrança guerras religiosas, algumas ainda presentes, o nazismo, o comunismo e a intolerância crescente que se percebe no mundo atual.

Aprisionar-nos a mente pelo controle de nossas emoções pelo amor – ou ódio – a um símbolo, a um ideário, a um líder, embotando-nos o poder e o dever de análise e crítica, atributo dos cidadãos, é tudo que lideranças carismáticas pretendem e tentam durante todo o tempo e em todas as oportunidades. “Veja quem tem olhos de ver!”

Crônicas da Madrugada completou em junho último três anos, nos quais esteve presente todos os fins de semana, sem falhas. Seu autor, até então, publicava eventuais artigos para engenheiros sobre a profissão, a política profissional e a sua importância para o desenvolvimento sustentável do Brasil em veículos específicos e no blog Conversa de Engenheiro (www.conversadeengenheiro.com) com a mesma finalidade.

Dizem as “más línguas” que os engenheiros jovens lidam com a tecnologia, os de meia idade passam a administradores e os que alcançam idades mais avançadas metem-se a filosofar. No jogo da vida, estou jogando a prorrogação! Daí....começar a falar das coisas que acumulei nas pranchetas, nas obras, pelos caminhos e com alunos, professores, colegas, misturando tudo no liquidificador das ideias.

Meus primeiros leitores, reuni-os num grupo de WhatsApp compulsoriamente entre amigos que considerava pessoas qualificadas. Em grande parte desconhecidos entre si, de variados estados e de diversas profissões. Ao longo destes 36 meses tenho recebido desses amigos inestimável ajuda. Crônicas da Madrugada hoje chega um pouco mais longe e outras pessoas contribuem com críticas e sugestões, mas o feedback que me permite avaliar o trabalho e principalmente qual é a opinião média dos leitores, não apenas sobre os textos, mas sobre o cotidiano do país e da nossa cidade, com regularidade, é o grupo Crônicas da Madrugada com seus 150 participantes, que se tornou o laboratório de que muito me utilizo. No alvorecer do domingo, a primeira postagem que faço do novo texto é para esse combativo time.

Você, leitor, há de estar perguntando, “por que combativo?” – Eu explico: procuro trazer, como é próprio das crônicas, temas da atualidade, coloco sempre pitada de controvérsia para que sejam estimuladas as reflexões, partam elas do ponto de vista de que partirem e das crenças de cada um que me dê a honra da leitura.

No meu laboratório virtual, eventualmente alguns dos críticos se exasperam uns com os outros (adotei por norma não entrar nas discussões do grupo) e o ambiente fica como o do ring oitavado do MMA. Mas, como em todo bom debate, logo se confraternizam....e eu aprendo muito com eles.

As reflexões desta crônica são dirigidas a todos os leitores, para que observem como iconoclastas e iconófilos estão sendo manipulados largamente pela mídia. Devemos nos proteger.

Um compromisso: Passadas as dificuldades de aglomeração, Crônicas da Madrugada reunirá o pessoal do Laboratório Virtual para uma Noite de Queijos e Vinhos. Confraternização geral entre os aguerridos debatedores!

Crônicas da Madrugada. Danilo Sili Borges. Brasília – Jul. 2021

danilosiliborges@gmail.com

O autor é membro da Academia Rotária de Letras do DF. ABROL- BRASÍLIA.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

EU TE PERDOO, EU ME PERDOO

SIMONE TEBET E A 3ª VIA

EU, CIDADÃO PORTUGUÊS