SEREI CANDIDATO


 Nesta crônica estou fazendo o pré-lançamento da minha candidatura à presidência da República do Brasil. Acordei nesta madrugada do dia 1º de julho certo de que isso é o melhor que posso fazer pelo meu país. Tenho carradas de razões para tomar medida extrema de tal natureza, que ao longo deste documento o meu leitor que, ao final, estou certo, passará a ser meu eleitor, pela total sintonia dos sentimentos, angústias, frustrações que sentimos juntos. Mas antes de tudo pelas esperanças de que um candidato com a minha plataforma pode lhe falar à alma e ao cérebro.

Vamos começar a raciocinar juntos. Entramos no segundo semestre de 2021, os políticos, devido às suas ambições pessoais, não foram capazes de indicar um nome para a tal 3ª via, alguém descente e que inspire confiança, pois senão o que nos restará será o Muito Ruim ou o Péssimo – ponha sobre qualquer dos títulos o retrato a sua escolha, é acertar ou acertar. “Branco e Nulo” será, com certeza a opção de grande número, certamente da maioria dos eleitores do país, cansada de a cada quatro anos renovar suas esperanças para exatamente nada de resultados positivos.

Ao longo dos anos podemos escolher: rir de nós mesmos por sermos tão ingênuos ou chorar de tristeza por nos deixarmos enganar por tanta sordidez.

Vamos a fatos que comprovam o que digo e que cabem nesta crônica:

A corrupção está tabelada durante a pandemia: um dólar por dose. O mercado potencial é ótimo, 217 milhões, duas doses por pessoa, todo ano... Bolsonaro acabou com a Lava Jato!

Condenaram o juiz que condenou ladrões cujos roubos geraram dinheiro que foi devolvido (em parte) e que provocou delações de ministro de governo que contou a quem entregava a grana. Lembram do Palocci? Empresários também abriram o bico. Você esqueceu? O STF também.

A Polícia Militar, depois de meio mês de buscas por um serial killer, que havia estuprado e assassinado toda uma família, considerado de alta periculosidade, em troca de tiros, não conseguiu capturá-lo com vida. Imprensa, OAB, alguns que falam em Direitos Humanos, hipócritas, criticaram a ação policial. Leis e procedimentos lenientes em todos os níveis indignam os cidadãos, que pedem: Justiça de verdade para bandidos de todos os naipes.

Diariamente entra em nossas casas uma CPI, que até seria útil se não fosse conduzida como e por quem é. Um escárnio. Lá em Minas se diz “o sujo querendo falar do mal lavado”.

“Farofa no ventilador, depois de noite malsucedida”, estarão pensando de mim, os leitores-eleitores.

E no meu papel de candidato, insisto: Inflação galopante sem correção salarial é imposto invisível, covarde como punguista que mete a mão no seu bolso com dedos leves.  Golpe conhecido, aplicado tantas vezes pelos delfins e netos da vida.

Crise energética por falta de chuva e por incapacidade de ligar as alterações climáticas ao desmatamento acelerado da floresta e à agressão ao planeta. Fenômeno global e local. Causa e efeito. Ciência, quem acredita nisso?

Em 2022 serei eleito. No primeiro turno. Não sou político e não pretendo tornar-me um. Sei que preciso de uma legenda para registrar minha candidatura. Qualquer uma serve, não farei viagens e não irei a debates. Conversarei com quem me quiser ouvir pelas redes sociais.

Algumas medidas que tomarei: Não vou morar no Palácio da Alvorada e o transformarei numa escola para crianças e jovens, em tempo integral. Manterei todas as mordomias que servem a família presidencial às crianças. Essa será a escola modelo e exemplo para todas as escolas do país. Se cuidarmos com competência, dedicação e amor à educação e aos jovens do Brasil, em vinte anos todos os nossos grandes problemas estarão resolvidos. O mesmo será feito no Palácio do Jaburu.

Por falar nisso, a vaga da vice-presidência está livre na minha chapa. Não tenho preferência por gênero, idade, etnia. Espero encontrar alguém que não tenha carreira política, que se depois dessa experiência pretender continuar a liderar movimento de limpeza e renovação dos quadros dirigentes da nação isso é desejável. Além disso tudo, espero que o vice, quando discordar de mim tenha coragem de falar o que pensa, sem ficar levando porrada e passando paninhos quentes, isso é muito feio! Dignidade é preciso.

Eu continuarei a viver na minha modesta e confortável residência, dispenso toda e qualquer mordomia, inclusive segurança. Não temo atentados contra minha vida, ao tomar posse estarei com 82 anos, portanto a própria natureza se encarregará disso. Irei trabalhar no meu Sandero Stepway 2016, que está novo, sem uso, pois está parado por este tempo de pandemia. Darei expediente de 8 horas diárias como todo servidor. Presidentes que ficam no gabinete depois da hora recebem visitas de lobistas.

Falei hoje cedo com alguns amigos sobre minha pretensão de ser presidente do meu país. De todos recebi o mesmo comentário: “o velho ficou doido”.

O que eles não sabem é da carta que tenho na manga – já estou ficando ladino como são os políticos. Ao me inscrever no TSE vou usar um heterônimo. O nome de candidato que aparecerá na urna eletrônica será: BRANCO E NULO. Se possível, até sem retrato!

Não duvide, serei presidente de todos os brasileiros a partir de 1º de Janeiro de 2023!

Crônicas da Madrugada. Danilo Sili Borges. Brasília – Jul.2021

danilosiliborges@gmail.com

o autor é membro da Academia Rotária de Letras do Distrito Federal – ABROL BRASÍLIA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

EU TE PERDOO, EU ME PERDOO

SIMONE TEBET E A 3ª VIA

EU, CIDADÃO PORTUGUÊS