EU TE PERDOO, EU ME PERDOO

 



Eu gosto das pessoas de sangue quente, das que se exaltam, das que não levam desaforo pra casa, como minha tia Jildete, capaz de tirar a limpo qualquer dúvida que ficasse no ar, até mesmo numa conversa de família, que parecesse que lhe queriam pisar os pés, com insinuação maldosa. Passada a indignação, a fúria cessava. Às vezes o processo de digestão e de voltar “às boas” consumia tempo, dias, semanas, mas certamente acontecia, todos sabíamos.

Eu nasci pobre, porque meu pai, antes bem situado, havia perdido seu patrimônio, segundo me foi contado, por ter sido lesado por sócio, parente próximo. Avaliou meu pai que a desforra física total, que chegou a ser cogitada, levaria à desagregação familiar, ao caos. Calou-se, absorveu perdas e, religioso que era, disse, uma só vez: “Entrego a Deus”. E daí em diante conviveu com o predador normalmente no contexto familiar. Só me sinto à vontade de trazer esse fato à luz por não estarem entre nós os que poderiam identificá-lo.

Eu gosto das pessoas que perdoam!

Eu gosto das pessoas que ao errar admitem o erro!

Que assumem postura humilde e se desculpam. É preciso que o reconhecimento do deslize seja sincero, brote da alma. Se danos houve, que pague os reparos. Se há o que aprender, que cumpra as penas do purgatório aqui mesmo. Mas que receba do ofendido as graças da desculpa, as bençãos do perdão.

Eu lamento pelas pessoas que são incapazes de perdoar!

Elas se condenam a penas eternas.

Não me parece eticamente aceitável sequer a expressão: “Que Deus te perdoe” ou mesmo a terceirização feita por meu pai a quem lhe prejudicou. É uma espécie de “lavar as mãos” passar o perdão para ser procedido por Deus, que é só bondade, e que, portanto, nada Lhe custa. Com isso terá o ofendido realmente deletado do coração e do cérebro culpas e desejos de revide?

A cada manhã, antes da prática da meditação, faço uma reflexão em que abordo diversos pontos da minha vivência, os mesmos, quase sempre, mas a repetição diária me faz ir aprofundando aspectos que antes me tinham passado despercebidos.

Uma questão que no cotidiano perpasso é a da minha conduta ao longo da existência, ora como causador de dores, incompreensões e injustiças e também de ter sido eu, de algum modo, pessoa que sofreu procedimentos da mesma natureza neste caminhar.

Como todos, fui vilão por muitas vezes. Sobram-me arrependimentos. Na grande maioria dos casos não dá para corrigir o dano praticado: Como apagar da memória da garota que não me quis na adolescência o poema satírico que fiz e divulguei debochando dos cravos do seu rosto? Ou do esquecimento definitivo de amigos-irmãos quando a vida atribulada deles me afastou geograficamente.

Fui duro e impiedoso algumas vezes em negócios, por ganhos a mais e por vinganças. Não roubei e não matei, mas fiz sofrer, com desforra multiplicada aos que me machucaram. Fui tantas vezes intolerante, injusto e pusilânime.

E por tudo isso, e por muito mais, diariamente, eu me perdoo!

Se fui algoz, fui também vítima.

 Do que tenho recebido de ofensas, prejuízos e injustiças ficaram-me sentimentos de desgosto, de desesperança e porque não dizer, de desejar mal, com a força de mil bois. Apequenamentos impostos, traições por poucas coisas, humilhações envenenaram-me o pensamento. Silenciosamente continuei a sofrer com fatos pretéritos, com a vilania alheia.

Obrigaram-me a encerrar minha carreira na academia aos 50 anos de idade, por meu espírito livre e independente ser incompatível com a noite reinante, então, naquele ambiente dominado pela intolerância ideológica.

Além de sofrer com o que havia praticado, padecia com as reações que desenvolvera com o que havia recebido.  Dei um basta nessa situação. Passei à prática diária do perdão recíproco.

Perdão a mim mesmo pelas angústias, mal-estares e dores que causei. Perdão a todos os que consciente ou inconscientemente me atingiram. Perdoo-os a todos, insistentemente, e a mim mesmo, porque os sentimentos negativos estão sempre prontos a uma recidiva.

Recentemente conjecturei que muitas pessoas a quem magoei inconsciente ou de vontade ativa, podem não ter me perdoado. Tento levar meu pensamento a elas, dizendo-lhes do meu auto perdão, que se me indultarem será benéfico para elas.

Não pense o leitor que estou fazendo uma arrumação na bagagem e descartando do que é muito pesado para quando chegar do outro lado do Rio da Vida ser aceito e mandado para boas acomodações. Nada disso!

O meu acerto é comigo mesmo, com os meus irmãos de caminhada, com todos os seres da natureza, enquanto sou indivíduo nesta vida, para mim única, sem subsequentes, sem títulos vencidos a pagar, com ou sem juros, nos cartórios da eternidade. Para mim a conta tem que estar zerada é agora!

A todos, com humildade, peço perdão!

Crônicas da Madrugada. Danilo Sili Borges – Jul. 2022

danilosiliborges@gmail.com

O autor é membro da Academia Rotária de Letras do DF. ABROL BRASÍLIA

 


Comentários

  1. "pra mim a conta tem q ser zerada agora" concordo - vamos embarcar sem débito ou crédito. Está arrumação da cabeça faz bem pra alma. ABS. Ronaldo carneiro

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

SIMONE TEBET E A 3ª VIA

EU, CIDADÃO PORTUGUÊS