AS INTENÇÕES DE ANO NOVO



Por Danilo Sili Borges

Não sei se você é assim: Dizem que a maior parte das pessoas, nestes primeiros dias do ano, se enche de boas intenções e faz listas dos objetivos que pretende alcançar ao longo dos próximos doze meses. Eu sou um desses.
Como pessoa razoavelmente organizada, antes mesmo das poderosas agendas eletrônicas que adotei, me acostumei a ter sobre a mesa um caderno, desses espiralados, grande, 400 folhas, multimatérias, que funciona como minha memória auxiliar, meu arquivo de intenções e de ideias malucas – e eu as tenho em profusão. Nele despejo frustrações mal digeridas, pecados com contas não saldadas, perdões ainda não pedidos ou não concedidos. Não estaria errado se considerasse meu cadernão como uma espécie de confidente, o de melhor tipo, o que não se manifesta. Claro, como rotina, ele é minha agenda de curto e longo prazo. Pela variedade dos registros, ele é prosaico e, até certo ponto, cômico.
Nele anoto, por exemplo, dicas de culinária e receitas com as quais tropeço na internet e que possam interessar ao meu hobby: fogão e panelas. Vez por outra, encontro sugestões para as Crônicas da Madrugada em pés de página feitas semanas antes no que seria uma espécie de borrão se não fosse bem cuidado, com os assuntos postos ordenadamente. Logo nas primeiras horas da manhã, organizo a minha agenda, na realidade arrumando minha cabeça um tanto voadora: primeiros compromissos com hora marcada; depois os considerados urgentes e importantes. Isso é uma espécie de liturgia, talvez um TOC, jeitinho moderno do que se chamava mania.
Não preciso dizer que organizo cada mês com os mesmos requintes. Tudo no meu cadernão, o que me leva a ser motivo de gozação em casa. A menos cáustica delas é a que diz que faço as listas dos eventos para esquecê-los em ordem. Eu não ia confessar, mas vou: Aos domingos, após a postagem da crônica, componho a programação da semana entrante.
Como faço anualmente, programei os eventos do ano que se estava para iniciar. Dediquei-me a prever fatos e atitudes a tomar em 2020. Segui com prioridade os eventos que têm datas fatais: declaração do imposto de renda; em abril, realizar o exame pedido pelo cardiologista; maio, checkup semestral com a endocrinologista; ainda em maio, provar que continuo vivo, para que a aposentadoria não seja suspensa. Tudo isso está programado na agenda do celular, mas nada se compara, em confiança, ao cadernão.
A extensa lista de resoluções contempla fechar a boca para manter o peso próximo aos 72 kg; ler, pelo menos, 10 livros; fazer uma viagem para um lugar desconhecido; caminhar cinco dias por semana; meditar duas vezes por dia, como faço há 48 anos. Escrever e publicar as Crônicas da Madrugada aos domingos.
Ao concluir a lista para 2020, resolvi cotejá-la com a que havia feito em 30 de dezembro de 2018, com validade para o finado 2019, esta também devidamente registrada no cadernão. Sem surpresas verifiquei que as coincidências eram enormes. O tempo passou. Metas e objetivos de vida é que não. Muitos porque não consegui realizá-los, por razões diversas – otimismo exagerado, falta de empenho –, outros por serem permanentes, para toda a vida, como os que se referem a aperfeiçoamento em características de temperamento.
Não tenho lembrança de ter descartado qualquer dos meus cadernões. Não os trato como relíquias ou documentos secretos, pelo contrário, enquanto com páginas em branco, eles permanecem sobre a mesa, sem restrições a consultas por qualquer curioso. Após completos, ficam numa estante, igualmente disponíveis. Minha vida não tem fatos interessantes vividos ou imaginados que possam despertar, no futuro para meus netos, curiosidades para fofocas do tipo: “vovô era terrível na cama! Viu só? Três mulheres ao mesmo tempo, e todas vizinhas do mesmo bloco”.
De qualquer modo, este é um texto sem fantasias ou escândalos, mas posso, literalmente, afirmar: “Minha vida é um livro aberto”.
Crônicas da Madrugada. Danilo Sili Borges. Brasília – Jan.2020

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

EU TE PERDOO, EU ME PERDOO

SIMONE TEBET E A 3ª VIA

EU, CIDADÃO PORTUGUÊS